Você Sabia?

Conheça “Stuckie”, o cão mumificado preso em uma árvore por mais de 50 anos

Curiosidades 20 julho 2018 Postado por:

Há algumas coisas que os madeireiros esperam encontrar ao derrubar árvores. Ninhos de pássaros e coisas presas nos galhos são meio que de lei – um cão mumificado no centro de uma árvore, porém, não é. Mas foi exatamente isso que uma equipe de madeireiros da Georgia Kraft Corp. descobriu enquanto derrubava uma árvore nos anos 80.

Os madeireiros estavam trabalhando em um bosque de carvalhos no sul da Geórgia quando encontraram uma visão incomum.Depois de cortar o topo da árvore e carregá-la em um caminhão para transporte, um membro da equipe acabou dando uma olhada no tronco oco. Dentro, ele encontrou os restos perfeitamente mumificados de um cachorro, olhando para ele, seus dentes ainda à mostra em uma luta pela sobrevivência.

O cão mumificado foi um achado chocante para os madeireiros, que estavam trabalhando para cortar a árvore em pedaços e quase a transformaram em palha.

Especialistas que estudaram a carcaça concluíram que o filhote era provavelmente um cão de caça dos anos 1960, que havia perseguido algo como um esquilo através de um buraco nas raízes e subiu pelo centro da árvore oca.

Quanto mais alto o cão chegava, mais estreita a árvore ficava. A partir da posição das patas do cão, os especialistas acreditam que ele continuou a subir até que efetivamente entalou. Incapaz de se virar, o cachorro morreu.

Devido a um conjunto perfeito de circunstâncias, entretanto, embora estivesse morto, não ficou esquecido.

Normalmente, um cachorro que morreu na natureza sucumbiria à decomposição e seria comido por outros seres. No entanto, como o cachorro morreu dentro de uma árvore, era improvável que outros animais pudessem alcançá-lo – e, devido à altura do corpo, era improvável que outros animais também sentissem o cheiro.

Além disso, o tipo de árvore em que o cachorro se alojou era excepcionalmente adequada ao processo natural de mumificação. Carvalhos castanhos contêm taninos, que são usados ​​em taxidermia e bronzeamento para tratar peles de animais para que eles não se decomponham. Os taninos do interior da árvore penetraram no cão e impediram que ele apodrecesse por dentro.

O ambiente seco dentro do tronco também forneceu abrigo dos elementos e sugou a umidade da carcaça. O ar que foi sugado para a árvore através da base criou uma espécie de efeito de vácuo, contribuindo ainda mais para o processo de secagem.

Depois de encontrar o filhote mumificado, os madeireiros decidiram levá-lo para um museu, para mostrar a visão rara para o mundo. O cão, agora carinhosamente chamado de “Stuckie” (algo como “entaladinho”, em inglês), reside no museu Southern Forest World, ainda envolto em sua tumba amadeirada, e em exibição para o mundo ver.

Posts relacionados