Você Sabia?

Ladrão de lápide: as estranhas formas de impedir o roubo de uma sepultura

Dicas 31 julho 2018 Postado por:

No início de 1800, a Grã-Bretanha e a América se viram em meio a um turbilhão de descobertas científicas e médicas. O estudo da anatomia e cirurgia foi extremamente popular. Isso levou ao comércio de corpos, uma prática que acabou criando o ladrão de lápide.

Famílias de luto não podiam mais enterrar seus mortos e esperar que permanecessem assim. Os criminosos vagavam pelos cemitérios à noite, procurando por sepulturas recém-cavadas.

Eles desenterravam o corpo, tiravam o cadáver e jogavam as roupas de volta na sepultura antes de levá-lo dali. Depois disso, o corpo seria dissecado, muitas vezes na frente de uma platéia, para a melhoria da humanidade.

Mas, obviamente, alguns parentes se opuseram a isso, e surgiram várias maneiras engenhosas de frustrar o ladrão de lápide.

Cofre de morto

Os cofres mortais eram gaiolas de ferro colocadas sobre e às vezes ao redor do caixão para evitar que ele fosse alcançado pelo ladrão de lápide.

As gaiolas eram deixadas sobre as sepulturas por até 10 semanas, pois os corpos tinham que estar suficientemente putrefatos. Tanto que não tivesse utilidade para a dissecação. Às vezes, as gaiolas eram deixadas no lugar permanentemente.

Evidências de cofres mortais ainda podem ser vistas em um cemitério chamado Greyfriars Kirkyard, em Edimburgo. Isso junto com uma série de outras precauções tomadas pelos moradores para evitar a ressurreição inoportuna dos mortos. Mas ao que parece, não adiantava muito.

Caixões de ferro contra ladrão de lápide

Famílias ricas às vezes recorriam à construção do caixão todo de ferro para evitar que o ladrão de lápide alçasse os restos mortais de seus entes queridos, mas isso causou alguns outros problemas.

Na igreja de St. Brides, em Fleet Street, Londres, um caixão de ferro, fechado com fivelas, foi descoberto com a data de 1819. Enquanto isso, acredita-se que o corpo de um menino encontrado em um caixão de ferro perto de Washington data da década de 1850.

Vários caixões patenteados tinham garantia de serem à prova de falsificação, provando ser um favorito em particular. Equipamentos de elevação especial eram necessários para baixar os caixões no chão. Isso dificultou as coisas para os funcionários dos cemitérios, porque muitas vezes relutavam em aceitar esse tipo de situação.

Em um caso, o corpo de uma mulher estava enterrado em seu caixão por três meses, enquanto os tribunais decidiram se o cemitério tinha o direito de recusar sua entrada. O que fez a coisa toda um pouco redundante.

Casas mortas

Casas mortas eram edifícios fortificados, usados ​​para armazenar corpos antes do enterro para tornar os cadáveres impróprios para dissecação. Cada casa morta armazenaria vários corpos por uma taxa, e eles permaneceriam ali por várias semanas até que a decomposição fosse adiantada.

O design das casas mortas era geralmente extremamente seguro. Elas foram construídas ao longo das linhas de prisões e cofres bancários. Por exemplo, a casa morta em Belhelvie, perto de Aberdeen, é construída com grandes blocos de granito. Tem também uma única porta, protegida por um conjunto adicional de portas duplas.

A porta interna é coberta com uma folha de ferro e tem uma fechadura enorme. A porta externa é feita de pranchas de carvalho forte e é cravejada com parafusos de ferro e duas grandes fechaduras de encaixe.

Os dois buracos da fechadura são cobertos e protegidos por duas barras de ferro, uma articulada no topo da porta e outra na parte inferior. Onde as barras se cruzam e são seguras com um enorme cadeado.

Seria necessário muito mais que um ladrão de lápide para passar por isso.

A Escócia tinha um grande número de casas mortas, incluindo uma em Udny que ostentava uma plataforma de caixão giratório para facilitar a extração de corpos.

Retardando o enterro

Para aqueles que não podiam pagar um lugar em uma casa morta, restava a opção de manter o corpo em casa até que ele tivesse decomposto. É improvável que as pessoas achassem que isso fosse uma escolha agradável.

A família também misturava a terra na qual o corpo seria enterrado com uma medida igual de palha para dificultar a escavação. Mas com as elaboradas medidas tomadas pelos ricos para seus enterros, os pobres mortos eram especialmente vulneráveis ao ladrão de lápide.

As penalidades por roubo de corpos também eram relativamente menores, desde que os autores não levassem embora nenhuma das posses do falecido. Isso explicava as roupas sendo jogadas de volta ao túmulo.

Aquelas pessoas que tiveram a infelicidade de morrer no asilo eram especialmente vulneráveis. Hospitais “caritativos” costumavam vender os corpos de qualquer um sem parentesco diretamente para os hospitais dissecadores.

O ladrão de lápide muitas vezes providenciava para alguém reivindicar os corpos fingindo ser um parente. É um fato triste que eles foram mais valorizados na morte do que eram na vida.

Pedras mortas

Era mais provável que o corpo fosse roubado na primeira ou segunda semana após o funeral Por que? Porque o cadáver estava mais fresco e o solo na sepultura ainda não havia sido firmado. Como uma medida temporária, as pedras mortas eram às vezes usadas para cobrir o topo do túmulo.

Em Inverurie, perto de Aberdeen, várias pedras mortas ainda podem ser encontradas no cemitério. Estas grandes pedras de granito tinham as mesmas dimensões que o túmulo e cobriam completamente o caixão por baixo.

Eles precisavam de uma talha especial para levantá-las e removê-las novamente após a decomposição, porque uma lápide tinha que ser colocada no lugar.

Vigílias

Os parentes se revezavam muitas vezes sentados em um túmulo todas as noites durante a primeira semana para deter o ladrão de lápide. Sentar-se no escuro ao lado de uma sepultura esperando que os ladrões aparecessem não era uma tarefa fácil. Mas as pessoas estavam com tanto medo dos ladrões de corpos que fizeram isso.

Havia uma visão popular de que um corpo tinha que ser “inteiro” para entrar no céu. Assim, os dissecadores estavam, portanto, roubando não apenas os corpos dos mortos, mas também seu descanso eterno.

Segurança de morto

Aqueles que não gostavam de ficar sentados no cemitério a noite, frequentemente procuravam os serviços de um vigia ou segurança de morto. A paróquia de Ely, por exemplo, empregou um vigia para “estar constantemente nos terrenos da igreja para proteger os corpos enterrados”.

Em alguns dos maiores cemitérios, foram construídas guaritas para alojar os seguranças entre os turnos. Um perto de Aberdeen tinha uma torre de dois andares, com o andar superior usado como cabine de vigia. Ele ainda tem um buraco especial através do qual os seguranças poderiam atirar em intrusos, e um sino no topo da torre, que poderia ser usado para fazer barulho e pedir ajuda.

Mas teve casos em que o ladrão de lápide se apresentou como vigia porque queria saber onde estavam todas as armadilhas Alguns donos de cemitério estavam em conluio com os ladrões de cadáveres e recebiam uma comissão sobre a venda dos corpos.

Torpedos de caixão

Entre as formas mais engenhosas de segurança do enterro estava o torpedo do caixão.

Patenteado em 1878 em Columbus, Ohio, por Philip K. Clover, o caixão torpedo foi projetado para impedir com sucesso a ressurreição não autorizada de cadáveres. Por ser prontamente preso ao caixão e ao cadáver, qualquer tentativa de remover o corpo causaria a descarga do cartucho. Este estava contido no torpedo e ferimentos ou morte do profanador da sepultura seriam certos.

O torpedo apresentava um intrincado mecanismo que explodia com força letal se o caixão fosse perturbado. Pouco pensamento parece ter sido dado à legalidade de tal arma.

Felizmente para o Sr. Clover, há poucas evidências de que o torpedo do caixão tenha entrado em produção.

Colares de caixão

A coisa mais prática foi o colar de caixão porque era feito de um anel de ferro muito pesado montado em um painel de carvalho espesso. Este era fixado à base do caixão com parafusos pesados, tornando impossível remover o cadáver sem decapitá-lo, reduzindo seriamente seu valor.

Este foi um método prático e relativamente barato de derrotar o ladrão de lápide. Os colares não eram bonitos e seriam muito visíveis em um caixão aberto. Mas eles deram aos parentes do falecido alguma paz de espírito.

Posts relacionados